1 responder
  1. Eliane de Abreu Santoro
    Eliane de Abreu Santoro says:

    Não que antes houvesse bandidos 100% bandidos e mocinhos 100% mocinhos, mas me parecia um pouco mais fácil decidir em quem votar. Programas de governo me parecem cada vez mais uma mera exigência burocrática. Acabamos, sempre, votando na “personalidade política” do candidato. Isso parece estar dando certo aqui na cidade de São Paulo. Votei no Haddad sem propriamente conhecer seu programa de governo, mas pautada pela ideologia e pela postura que ele demonstrava durante a campanha. E tenho tido boas surpresas. Mas ser cidadão consciente é difícil e dá trabalho. Obrigada, Paulo, pelas ideias.

Os comentários estão fechados.